Vela com deficiência: uma entrevista com o iatista Jakub Koutský

A vela pode ser um desporto fantástico e uma forma de relaxamento para pessoas com deficiência. Veja esta história verdadeiramente inspiradora.

Jakub Koucký é um aventureiro que mergulha primeiro em tudo. Ele nunca se aborrece, desfruta da adrenalina e adora especialmente a água e o mar. Apesar de estar em cadeira de rodas desde a infância, ele pode fazer mais coisas do que a maioria dos indivíduos capazes e tornou-se um marinheiro especialista, ultrapassando todas as limitações a bordo. Conversamos sobre como é ter uma deficiência num iate, mas também sobre viagens, tubarões, mergulho e barreiras - as das cidades e as imaginárias nas nossas mentes. Ele é uma verdadeira inspiração. E a prova de que navegar e realizar os seus sonhos é mais fácil do que se possa pensar!

Jakub byl v jedné z posádek populární expedice Trabantem napříč Tichomořím

Como surgiu, velejando pela primeira vez? Foi sempre um sonho seu?

Foi há muitos anos atrás. Sempre gostei da água e de todos os desportos. Há 11 anos fundámos uma organização sem fins lucrativos dedicada a actividades de adrenalina, que me levou cada vez mais à água. Comecei a andar em esquis aquáticos, em jangadas ...


E depois vieram os mergulhos com escafandro e tudo relacionado com a água. Tudo o que me restava fazer era velejar. Era relativamente inacessível na altura, e ninguém tinha muita experiência a fazê-lo. E então, por acaso, conheci um homem que saía todos os anos num iate. Por isso, concordámos em tentar.

Como é que acabou?

Há cerca de 9 anos atrás, estivemos juntos na Croácia pela primeira vez. Era uma viagem de Outono, por isso navegar com todos os ornamentos, sem férias relaxantes ou banhos de sol, era realmente uma questão de navegar à vela.


E foi lá que descobri que não era preciso muito para poder controlar todo o barco à vela. Basta ter o guincho e tudo o resto à mão nas costas, e depois um utilizador de cadeira de rodas não só pode andar a cavalo, mas também estar activamente envolvido em tudo - na direcção e no controlo das velas. O que, é claro, faço regularmente.

Stačí docela málo, aby vozíčkář mohl ovládat celou loď

Tem uma licença de capitão?

Tenciono fazê-lo no Outono. Tenho curiosidade em saber se existem restrições para os utilizadores de cadeiras de rodas que o façam. Noutros desportos, como o mergulho submarino, tem sido tratado com muita frequência.

Limitações quando o mergulho autônomo é provavelmente menos do que num iate?

Mergulhar é uma liberdade incrível. Não importa o quanto pesa ou arrasta nas costas, pode mover-se facilmente em todas as direcções.

E como é que se deslocam num iate?

Subo a bordo, atiro a cadeira para a popa e movo-me com as mãos. Para mim não é um problema, não me importo nada com isso.

Estar habituado a ele desde a infância torna-o natural para si?

Sim, e já fiz muitos desportos e actividades diferentes, para poder lidar com isso. Para muitos, é inimaginável estar uma semana sem uma cadeira de rodas, movendo-se apenas minimamente. Mas será que isso é alguma razão para não ir? Convenci as pessoas a fazerem muitas actividades e estão sempre à procura de razões para não o fazerem. Eventualmente, fazem-no e adoram-no. Descobrem que podem geri-lo.

Então é possível que várias pessoas deficientes estejam a bordo, mesmo quando está para além da sua imaginação?

Definitivamente sim. Normalmente vou com uma tripulação onde metade é capaz e a outra metade tem deficiências. Eu sou a pessoa com cadeira de rodas. E depois há coisas que têm de ser tratadas. Talvez alguém não consiga ir do mar para o barco, por isso, será encontrada uma solução. Poderiam construir barcos que tivessem um tipo de guindaste, mas penso que tudo isto faz parte da diversão e não há necessidade de modificar absolutamente tudo. Faz tudo apenas parte do iatismo.

Úzká lávka na loď dělá někdy hendikepovaným problémy

Veja estas dicas de navegação:

Mergulho de cabeça em tudo e vejo com os meus próprios olhos

O que o apanhou de surpresa por estar num barco pela primeira vez?

Quase nada... A única coisa que eu realmente não sabia era se ia sofrer de enjoo. Bem, claro que o fiz em grandes ondas. Como qualquer outra pessoa. Não passo muito tempo debaixo do convés, adoeceria muito rapidamente. Passo a semana inteira acima do convés e durmo lá sobretudo quando o tempo o permite.

E o que causa aos utilizadores de cadeiras de rodas os maiores problemas num barco?

Provavelmente, os espaços apertados. É difícil contornar correctamente. E atravessar o passadiço pode causar dificuldades. E os sanitários de um barco são um problema para algumas pessoas. Eu posso caber, mas tenho de ir de lado, pois os meus ombros são largos. Caso contrário, vou simplesmente para o mar. Com tudo o que vai com ele. No fim de contas, é o melhor.

Não é preciso lidar muito.... com estes problemas.

Nada é realmente um problema para mim. Eu sempre tentei coisas. E não se pode entrar na atitude de que, se não funcionar, estou acabado. Nunca pensei realmente no que poderia ou não vir à tona. Porque consigo pensar durante horas e uma coisa ainda parece escapar-me - a mais importante.

Sou o tipo que entra de cabeça em tudo e vê o que acontece. E quando há um problema, não lhe chamo um problema, mas um desafio. Não é um problema que não possa ser resolvido, é um desafio e uma solução tem de ser encontrada. E é assim que eu tento abordar tudo e há sempre uma solução. Tem tudo a ver com essa atitude positiva. Mas muitas pessoas dizem-me que sou um "caso especial", uma excepção que não pode ser usada como exemplo. Eu próprio não posso julgar isso.

Koupání v opuštěné zátoce

E o que recomendaria a outras pessoas deficientes que querem velejar?

É realmente importante ser mais activo ao longo da sua vida. Ter a força necessária para enfrentar. Mas pode sempre fazê-lo, sempre.

Em que barcos andou, há uma melhor opção para pessoas deficientes?

Nunca seguimos a rota dos barcos caros, onde há mais espaço para colocar uma cadeira de rodas e deslocarmo-nos um pouco. Sempre tirámos barcos clássicos, os Baviera 45 ou 55 para 8 pessoas - 4 com deficiência e 4 com deficiência.

Haverá algo que uma empresa de aluguer de barcos possa fazer sabendo que um utilizador de cadeira de rodas irá embarcar?

Uma opção mais ampla de passadiço seria agradável. As pessoas de muletas não podem embarcar no passadiço. Ou alguém tem de as transferir, e isso não funciona realmente num passadiço estreito de qualquer forma. E sinto-me sempre um incómodo ao querer um motor no bote. Muitos utilizadores de cadeiras de rodas não podem remar e se tiver de puxar uma cadeira de rodas para terra, é preciso andar para trás e para a frente quatro vezes.


Não consigo imaginar espaços de amarração dedicados para os barcos. Mas o charter poderia ancorar o barco o mais próximo possível, talvez mesmo de lado. Ou reservar um lugar de curta duração apenas para embarcar a tripulação. Mas não sei realmente se o benefício seria tão grande. Mas não posso falar em nome de todos. Sou um pouco doido pela saúde. Não quero saber de escadas. Vou apenas sair da minha cadeira de rodas, mas pode ser indigno para algumas pessoas.

Leva alguma coisa de especial no iate?

Bem... nadadores. E na primavera, um casaco à vela. E é só isso. Por isso, não levo realmente nada a mais. É melhor reabastecer-se quando se está lá. É muitas vezes mais barato e não tenho de o arrastar. Como resultado, descubro que não tenho de levar metade das coisas que os outros fazem. Sou provavelmente um minimalista. E levo comigo um body board, mas não é nada especificamente relacionado com a vela.

Pohoda na jachtě

Onde está o seu destino de iates preferido?

NaCroácia. Circunavegamos as ilhas Kornati, depois navegamos até Vis e ao longo da costa. Procuramos enseadas escondidas onde não estamos lotados com outros. Muito do que se trata é de nos adaptarmos. Quando está calor, navegamos à noite e nadamos durante o dia. Quando está vento, navegamos nas velas para puro prazer.

Com que frequência se navega?

Uma ou duas vezes por ano. Navego com dois capitães - um gosta do vento e de uma vela adequada, o que seria mais desafiante para a maioria dos utilizadores de cadeiras de rodas. Mesmo para mim é difícil mover-me quando estou a todo o vapor. Mas até agora, ainda não caí ao mar. Na verdade, aqueles que precisam de mais ajuda teriam provavelmente um problema no final extremo - é preciso ajudar-se a si próprio. Especialmente em situações precárias. Por exemplo, fomos apanhados num furacão no antepenúltimo ano, e isso foi muito engraçado....

O que é que fizeram, abrigaram-se?

Não pudemos. À noite, tínhamos ficado numa baía mal abrigada. De manhã, descobrimos que algo estava para vir e sabíamos que tínhamos de sair. E, claro, fomos apanhados. Éramos o único barco no mar, com apenas um helicóptero a seguir-nos acima. Mas acabou por se sair bem no final.

Marinheiros mais inspiradores:

Já brilhava uma tocha na cadeira de rodas e os ouriços-do-mar estavam a reunir-se

Quais são as barreiras nas marinas?

O problema é sair do barco para a marina. Assim que afundámos a minha cadeira de rodas. Estávamos a regressar à noite e o cais era mais alto do que a popa. Posso atravessar o passadiço com as minhas mãos, mas alguém tem de levar a minha cadeira de rodas. O meu amigo carregava-a para mim, pisou o passadiço, e quando estava preparado para dar um segundo passo, desapareceu subitamente juntamente com o passadiço e a cadeira de rodas no buraco negro entre barcos. Estávamos preocupados se ele viria à superfície ou não, ele poderia ter atingido alguma coisa.

Primeiro, o passadiço flutuou para cima, depois ele... mas, claro, não a cadeira de rodas. Lançámos-lhe uma tocha e os ouriços do mar já se estavam a juntar. No final, pescámo-lo com um anzol numa linha. A cadeira de rodas sobreviveu. Portanto, para o acesso de deficientes, é sempre melhor que o molhe ou molhe esteja ao mesmo nível que a popa. E para alguns, a amarração lateral é melhor. Desse modo, é melhor estar ao nível do cais.

E os próprios portos de recreio?

Têm instalações sanitárias sem barreiras ou fingem tê-las, nem sempre estão devidamente equipadas para os deficientes. Alguns locais têm duches e casas de banho soberbas. Outros lugares têm um sinal de deficientes, mas depois ainda há escadas. Há trabalho a ser feito.

Jakub nejčastěji plachtí v Chorvatsku

Como se quebram as barreiras? Como ajudar outras pessoas com deficiência a ultrapassar o seu medo e a ir em frente?

Quando as pessoas têm medo, tento sempre levá-las a concentrarem-se em experiências positivas. Mas é diferente para a prática de iates. Em vez disso, as pessoas acham estranho estar num só lugar durante uma semana. Acham que é aborrecido. Como se estivessem apenas deitados como se estivessem num transatlântico. Não compreendem que se pode ir para onde se quer, e experimentar grandes veleiros quando o vento permite.

Alguma vez tem medo de se aborrecer num barco?

Não posso dizer que alguma vez me aborreça, mesmo quando não há vento. Atiramos uma corda, arrastamo-nos para trás do barco, lançamo-nos para Neptuno ... Ou basta olhar para a bela paisagem, outros barcos, aprender, experimentar as velas... Para mim é canja.

Pro nudu není na lodi místo

Geralmente não compreendo como é que alguém se pode aborrecer. Mas hoje em dia, pode-se fazer o que se quer, nada nos limita. Não é preciso ser rico para poder fazer algo... pode-se correr, andar de bicicleta, apanhar cogumelos, ler, caminhar, aprender coisas novas. Há inúmeras opções disponíveis hoje em dia. À noite, por vezes fico aborrecido por ter de ir dormir. Que estou a perder x número de horas quando poderia estar a receber novas informações ou a progredir.

Que mais temem as pessoas?

Muita gente pensa que é tão caro. Não acreditam que se reservar um barco com antecedência e tiver o seu capitão, pagará menos por ele do que umas férias na praia. E por isso tento amarrar os meus amigos. Vamos juntar um monte de nós para irmos e passarmos a palavra. Que é uma possibilidade. E que não há problema nenhum. Muitas coisas eram exclusivas nos primeiros tempos, e agora são uma coisa comum. Como o golfe. Ou o mergulho.

Gosta muito de mergulhar?

Adoro mergulhar e é uma pena não poder combinar a vela com o mergulho. Teria sido uma diversão incrível para mim. Mas é verdade que se eu quisesse desfrutar plenamente de um cruzeiro à vela, não teria o pensamento nem o tempo. Gosto muito de mergulhar com tubarões. Estava a mergulhar com eles num aquário na Nova Zelândia e havia talvez quarenta deles, um tinha cerca de quatro metros de comprimento e tinha uma boca como o tubarão da mandíbula.

Não estava assustado?

Eu gosto e admiro muito os tubarões, são animais incríveis. E, tendo estado na Austrália, não tenho medo deles. Uma vez um tubarão aproximou-se de mim e bateu-me na testa com o focinho. Tive definitivamente uma risca branca entre a minha máscara e a minha boca. E os meus olhos estavam salientes com a máscara posta. Quando descobriu que eu não estava apto a comer, nadou para fora.

Potápění a neskutečná svoboda

Veleja para qualquer outro lugar que não a Croácia?

Já estive no Cere Yacht Club em Praga. Têm lá iates de corrida de um só lugar, correm nos Paraolímpicos. Fui tentado a experimentar as corridas, não temos muitos iatistas na República Checa. Mas depois chegou a oportunidade de viajar, pelo que tive de falhar. Talvez eu volte às corridas, pelo menos de forma recreativa.

Onde treinou para velejar?

Em Praga, no rio Vltava, é óptimo. Uma vez estava a velejar e o vento parou, por isso estava lá à espera de uma rajada, e de repente um barco a vapor rugia atrás de mim. Isso foi um pouco peludo.

Que tipo de barco era? Muito diferente de um iate de recreio, suponho?

Era um veleiro de um só lugar, pequeno, sem motor. É muito técnico, muito equipamento de navegação, linhas - é óptimo. Não me importaria de o ter na Croácia. Mas tenho tantas oportunidades que salto sempre para o que é mais viável na altura.

Por vezes é melhor na estrada do que em casa

És muito activo, que mais fazes?

Estou sempre a alternar entre trabalho e caridade, apresentando projectos e contribuindo para outros. Costumava trabalhar numa organização sem fins lucrativos e não é realmente o meu género, sou mais do tipo empresarial. Há alguns anos atrás, fundei a minha própria Adrenalina sem fins lucrativos sem barreiras.

Será que isso ainda vai?

Já não muito, não há tempo. Fazemos esqui aquático e surf uma vez por ano, mas esse é o único evento que nos resta. Muitas vezes tivemos de descobrir como adaptá-lo a pessoas com deficiência. Construímos esta motocicleta em cadeira de rodas e esse era o nosso objectivo. Mostrar que pode ser feito! Antes disso, havia outros desportos - atletismo, desportos de interior, mas nada ao ar livre, estava a abrir novos caminhos. Depois, descolou. O Centro de Parapletismo fundou um clube ao ar livre. Para mim, isto é um sucesso.

Jedna z akcí neziskovky Adrenalin bez Bariér

Mas nós somos apenas pequenas batatas fritas. Há um núcleo de pessoas, que são activas em todos os desportos e o resto não pode ser persuadido. Será que se trata de preguiça? Ou não querem lidar com o incómodo? Vejo-o a toda a hora. Mesmo em viagens. E não compreendo porquê... Na verdade, muitas vezes é melhor na estrada do que em casa.

Quando se comparam os dois, qual é a diferença?

Nunca tive problemas em arranjar trabalho, através de pessoas que conheço, mas nem sempre se pode contar com ajuda. Na Nova Zelândia, eu e o meu amigo tentámos encontrar um emprego. No espaço de uma semana uma agência encontrou-me um emprego - um emprego a tempo parcial, mas com o dinheiro que eu tinha em casa como programador. Não foi um problema.


Na Austrália, tudo é acessível em cadeira de rodas e existe um campo de igualdade para os utilizadores de cadeira de rodas. Mas depois vai-se para Timor Leste, onde subsistem apenas na agricultura e na pesca ... Essas pessoas não têm realmente nada. E não há nada sem barreiras. Mas lá tudo ainda é possível. Aí sente-se uma sensação de coesão familiar, harmonia com pessoas que simplesmente não tiveram tanta sorte na vida. E são pessoas simpáticas e amigáveis. Fui por toda a cidade e quando houve um passo, alguém ajudou.

Como é que é aqui na República Checa? O passado? A relutância das pessoas, o desinteresse?

Não creio que se possa esconder por detrás do facto de que estamos 20 anos atrasados. As pessoas já têm uma comparação, não é novidade para elas. Pelo contrário, penso que estamos a afastar-nos da família e dos valores "humanos". Todos procuram ganhar dinheiro e sustentar a sua família. O que eu acho hipócrita.

Em que sentido?

Todos querem que os seus filhos e netos se saiam bem, mas continuam a não deixar de usar sacos de plástico. O que eu acho estranho! Não tenho filhos, mas acho que me preocupo muito mais com a forma como vai ser aqui depois de mim do que com as pessoas que têm filhos e os deixarão com um planeta completamente destruído.


E se as pessoas nem sequer podem cuidar disto, então porque se dariam ao trabalho de criar empregos para pessoas com deficiências ou tornar a sua vida mais fácil? Portanto, não o quero e nem sequer penso que seria o caminho a seguir.


Gosto do sistema da Austrália. Os utilizadores de cadeiras de rodas pagam os transportes públicos. Mas o transporte é devidamente livre de barreiras. Porquê deixar um pensionista, um utilizador de cadeira de rodas e todas estas pessoas irem de graça? Porque não usar o imposto e o dinheiro para refazer as estações? Sinto falta da lógica aqui. E, claro, se se recebe algo de graça, não se aprecia.

O que espera para este Verão? O que é que vai fazer?

Eu queria ir à Croácia. De carro porque só o conheço do convés de um barco. E porque sou incansável, queria acrescentar algo significativo e mapear as instalações sem barreiras. E gostaria de mudar uma coisa que realmente me afecta - muitas pessoas estão a olhar para o facto de não haver barreiras necessárias apenas para os utilizadores de cadeiras de rodas. Há também pais com filhos, carrinhos de bebé, idosos. Porquê separá-lo? A acessibilidade das cadeiras de rodas é para cada pessoa. Todos podem acabar em muletas, numa cadeira de rodas e envelhecer.

Já fez muitas viagens, é capaz de acompanhar as viagens mais exigentes agora?

Hm... Há quase dois anos que tenciono viajar para algum lugar. Sempre quis participar numa viagem para uma fundação. Queria filmar vídeos e fotografias, os lucros iriam para as fundações e as empresas também contribuiriam. Mas eu gosto de viajar, não quero estragar tudo. Por isso estou a poupar agora para poder ir sem quaisquer obrigações e viajar para onde quiser.

Na cestách v Bangkoku

Para onde?

Para a Austrália. Já lá estive duas vezes e sempre passei por uma parte. Agora quero ligar tudo e conduzir à volta dela. E eu quero ir sozinho. Quero ter tempo para tirar fotografias, pilotar drones e filmar vídeo. Se eu fosse com alguém, isso limitar-me-ia a mim ou a eles. E quero pegar nas armadilhas, indo sozinho. Como circular, o que levar ... Não haverá ninguém para me ajudar com uma mala pesada. Além disso, tenho lá contactos, se ficar preso, terei sempre alguém a quem recorrer.

Se correr bem, vai seguir em frente?

Isto será uma espécie de teste para mim. E depois quero continuar. A América do Sul apela a mim, África, adoraria ir para o Alasca. Vou guardar a Europa para a minha reforma, embora esteja na reforma desde os meus 18 anos. Já viajei um pouco, mas agora quero explorar lugares mais distantes. Gosto de viajar de forma independente. Conhecer os locais. Passar tempo com eles. Enriquece. Percebe-se que eles não têm nada para comer, mas continuam muito felizes. Mas aqui as pessoas não sabem o que fazer com todo o seu dinheiro, e são infelizes.

Jakub Koucký v Thajsku

Para além do furacão, teve alguma outra experiência de navegação à vela?

Uma noite a velejar numa tempestade. Não se consegue ver absolutamente nada e simplesmente desaparecer num buraco negro entre as ondas. Tinha acabado a dormir na popa. E andámos à deriva. É bom vivê-lo, pelo menos sabe-se o que esperar. Todas as experiências como esta movem-nos. É por isso que me atiro de cabeça para tudo. Para tirar conclusões precipitadas, quer algo funcione ou não... podíamos estar todos ainda nas árvores.

Jakub má vodu a moře hodně rád i na cestách

Pode partilhar a sua melhor experiência no mar?

Não posso dizer. É apenas o melhor num barco. Adoro velejar numa borboleta (um bote à vela de um design). Naquele momento, o barco parece absolutamente divino. E eu aprecio a velocidade, o calcanhar do barco. Quando se vêem os limites de para onde o barco pode ir. Isso é óptimo, e eu adoro. Brincar com ele, afiná-lo, afiná-lo... é uma diversão incrível para mim.


E o mar, o ar fresco, a actividade física e o bom humor. Em qualquer clima. Não me importo que chova. Só água para água. Pertence a todos. Estamos totalmente equipados para isso. Embora tenha estado em viagens em que tinha todo o equipamento e ainda assim me corria pelo pescoço - mas foi óptimo. Gostei muito dele. E eu gostaria de competir numa corrida. Algo amador.

Venha connosco no próximo ano para o nosso encontro da Páscoa. Este ano, houve um barco turístico de sucesso.

Então, gostaria de o fazer no próximo ano?

Ficaremos ansiosos por isso. Obrigado e desejamos-lhe muitas aventuras à vela e viagens!



Entre outras coisas, Jakub trabalha com Revenium, uma empresa que ajuda pessoas com deficiências médicas, sociais ou psicológicas a viver os seus sonhos.

Está interessado em barcos à vela? Dê uma vista de olhos à nossa oferta:

Posso ajudá-lo a escolher a rota certa e o barco certo