Descubra as maravilhas da navegação no Mar Báltico: um guia completo

À procura de um paraíso de iates que combine bela natureza e vela? Não procure mais longe do que o Mar Báltico! Descubra as especificidades deste destino subestimado.

O Báltico é um destino único com inúmeras rotas de navegação e locais deslumbrantes a explorar, oferecendo novas experiências e infinitas possibilidades. Destaca-se de destinos mais típicos como a Croácia, oferecendo as suas próprias vantagens e considerações específicas a ter em mente. Se o Báltico é o destino certo para si depende de alguns factores. O nosso guia inclui rotas recomendadas, locais de visita obrigatória, potenciais desafios a conhecer, assim como dicas e regras para navegar nesta região - tudo o que precisa de saber ao planear a sua viagem ao Mar Báltico.

Delimitação geográfica

O nosso guia não se concentrará num único país, mas sim numa região inteira. O Mar Báltico engloba a Dinamarca, Suécia, Finlândia, Alemanha, Polónia, Rússia, Lituânia, Letónia e Estónia, cobrindo uma vasta área. É um dos maiores mares salobros, e é frequentemente considerado o limite ou braço do Atlântico. Por ser um mar interior, tem uma profundidade média de apenas 55 metros, com o ponto mais profundo localizado na parte sueca a medir 459 metros.

Mapa do Mar Báltico

O Mar Báltico é interior.

Porquê velejar no Mar Báltico?

Talvez se tenha perguntado: porquê navegar no Báltico, quando a Croácia tem sempre um bom tempo? Aqui estão algumas razões pelas quais deve considerar aventurar-se mais a norte.

Acessibilidade

A área do Mar Báltico está estrategicamente localizada, uma vez que proporciona fácil acesso a quase todas as partes da Europa de carro, o que pode levar a uma significativa poupança de custos nas viagens aéreas.

Poupanças

Quando se trata de despesas, vale a pena notar a poupança significativa de custos para refeições e pernoitas em portos em redor do Mar Báltico. Estes custos são substancialmente mais baixos em comparação com a Croácia, tornando-a um destino mais acessível.

Menos pessoas

Se preferir mais liberdade e menos multidões enquanto navega, o Mar Báltico pode ser o destino perfeito para si. Ao contrário do popular local de iatismo da Croácia, o Mar Báltico permanece relativamente pouco povoado, com menos barcos e menos congestionamento mesmo durante a época alta. Isto significa que pode desfrutar de mais flexibilidade e espontaneidade, sem ter de planear o seu itinerário com demasiada antecedência ou preocupar-se em fazer reservas nas marinas com bastante antecedência.

Natureza linda

Enquanto muitos países mediterrânicos são conhecidos pelas suas paisagens áridas no Verão, a região báltica ostenta uma natureza luxuriante e sempre verde. Além disso, a área permaneceu em grande parte intocada pela actividade humana, criando um paraíso para aqueles que amam paisagens naturais intocadas.

Vento

Embora não possamos garantir ventos favoráveis durante toda a sua viagem de navegação, a região do Mar Báltico beneficia de ventos frequentes e consistentes, proporcionando uma grande experiência de navegação à vela. Assim, pode estar certo de que quase sempre haverá vento para alimentar a sua embarcação.

O tempo e o clima no Mar Báltico

Sacudir a imagem estereotipada do Báltico como uma região áspera, fria e meramente inóspita, onde o mar é selvagem, agitado e a água salpica em altura. Claro que o Mar Báltico é mais frio do que o Mediterrâneo, mas é também algumas latitudes mais a norte. Por outro lado, é uma zona onde há muito poucas hipóteses de experimentar a ausência de ventos. Os ventos são favoráveis para os marinheiros e aqueles que gostam de aparar as velas encontrarão muito a gostar aqui.

Os marinheiros em fóruns de discussão concordam que existe muitas vezes a chamada miticização do Báltico como uma região com mau tempo. Ficará surpreendido ao saber que na estação do Verão (Julho, Agosto) as temperaturas aqui muitas vezes atingem quase 30 graus. Na estação alta, pode nadar no mar sem qualquer problema.

Quando velejar no Báltico?

Durante finais de Maio e princípios de Junho, o Mar Báltico experimenta os dias mais longos, proporcionando mais tempo para desfrutar do bom tempo. A estação do Verão, de Junho a Agosto, é também uma óptima altura para visitar. Contudo, para aqueles que procuram experiências mais aventureiras e desportivas, o Mar Báltico ainda pode ser uma opção atractiva a partir de Setembro, embora possa ser menos adequado para os veraneantes.

Pagamento e moeda

A maioria dos marinheiros concorda que podem contentar-se com a utilização de euros e cartões de crédito. Quando não aceitam euros (máquinas nas marinas), pode pagar com cartão de crédito. Isto significa que não precisa necessariamente de trocar para sueco, dinamarquês ou outras coroas. 😊 Mas por vezes pode descobrir que a loja irá trocar a moeda local por euros.

A quem (não) recomendaríamos o Báltico?

A navegação no Báltico é adequada para todos os marinheiros que navegam:

  • são tentados a experimentar algo diferente dos destinos tradicionais da navegação à vela,
  • desfrutar das corridas ao vento,
  • não desfrute dos dias quentes no sul da Europa quando pode ser impossível dormir à noite e fica facilmente queimado de sol durante o dia,
  • eles estão a pensar em fazer um curso de skipper mais avançado.

Por outro lado, não recomendamos velejar no Mar Báltico:

  • aqueles que gostam de águas quentes (Caraíbas, Grécia, etc.), porque a água do Báltico é um pouco mais fria,
  • famílias com crianças muito pequenas, bebés e crianças de tenra idade,
  • completar os iniciantes na vela como a sua primeira viagem de navegação após o percurso do capitão, uma vez que é uma área mais exigente para navegar e velejar.

Considerando outro destino? Dê uma vista de olhos às nossas dicas:

Chegar à região do Báltico

A região báltica é facilmente acessível através de vários meios de transporte, com muitos destinos europeus acessíveis através de voos directos ou transferências, tais como Estocolmo e Tallinn, respectivamente. Também se pode chegar à maioria dos lugares da região por via terrestre, como Szczecin, ou por ferry-boat através do mar. Além disso, os países do Mar Báltico têm bons serviços ferroviários que podem ser combinados com outros modos de transporte para viagens convenientes.

O que faz do Báltico um lugar único e o que deve ter em conta?

O Báltico não é o Mediterrâneo e tem os seus próprios costumes e hábitos de iatismo específicos. O que o pode surpreender, que diferenças esperar e quais são os principais benefícios que consideramos?

Arco de amarração ao cais

Este facto pode ser visto num relance. No Báltico, na grande maioria dos casos, atraca-se no cais com a sua proa. A popa permanece, portanto, aberta em direcção à água. Isto pode parecer estranho a alguns, mas muitos barcos nórdicos não têm um passadiço, mas apenas degraus presos à proa. No entanto, este tipo de atracagem dá-lhe mais privacidade, mas a desvantagem é que não é de todo acessível a pessoas com menos mobilidade.

Atracação entre as estacas

Para os barqueiros que nunca navegaram para norte, amarrar o barco entre estacas de madeira será também uma novidade. Se souberem manobrar nos portos, não terão nada com que se preocupar, é apenas invulgar.

Estacas de madeira numa marina no Báltico.

Estacas de madeira numa marina no Báltico.

Sem cordas de amarração

As cordas de amarração não são uma prática comum no Báltico. Encontrará as supracitadas estacas de madeira, bóias de amarração ou cais de dedos transversais. Também é comum aqui amarrar barcos juntos em estilo de "jangada", ou seja, de lado uns para os outros. Portanto, não se assuste se um barco lhe fizer isto, embora seja habitual pedir previamente autorização ao proprietário ou ao capitão.

Pagar numa máquina

Nos portos bálticos, não se deve esperar encontrar pessoal da marina à procura de um lucro rápido através de uma sobrecarga. Em vez disso, as taxas de amarração do cais são frequentemente pagas numa máquina localizada no próprio cais.

Poupe dinheiro nas marinas

Se está habituado a tarifas de cais próximas do preço de um hotel de luxo no Adriático, então esqueça-o no Báltico. No norte, os preços da marina são mais baixos. Na Alemanha especificamente, os preços das marinas são semelhantes aos praticados no Mediterrâneo, mas mais baixos na Polónia ou na Estónia.

Infra-estruturas de iates menos densas

Tem de planear a sua viagem aqui com mais cuidado. Certamente não encontrará uma marina ou bóia totalmente equipada em todas as baías. Portanto, esteja preparado para travessias mais longas.

Navegação mais complicada no mar

Para além do facto de haver muitos fairways, canais e, portanto, marcas cardeais e outras marcações no mar, poderá deparar-se com cardinais inesperados que nem sempre são marcados nas cartas e plotters. Por conseguinte, é importante estar sempre vigilante.

Marca cardinal no mar.

Os alemães e os suecos são meticulosos na sua marcação.

Leia sobre outros destinos:

Que preparativos a fazer antes de navegar no Mar Báltico?

Como o Mar Báltico apresenta condições de navegação diferentes das da Croácia, é importante adquirir conhecimentos e competências relevantes antes de embarcar numa viagem à vela.

Colreg e marcas

Antes de navegar no Mar Báltico, é importante para o capitão ter uma boa compreensão das marcas marítimas, tais como as marcas cardeais e laterais, bem como as regras de Colreg, incluindo as regras do canal navegável. É crucial estudar termos como "canal" e "secção de navegação dividida" para estar preparado para navegar no Mar Báltico. Com muitos navios de carga e rotas e canais de navegação movimentados, é importante estar atento ao tráfego intenso em algumas áreas. Embora seja importante seguir as regras de Colreg, também é importante usar o bom senso e manter-se seguro, pois um grande navio de contentores nem sempre cede, mesmo que se tenha o direito de passagem. Em algumas situações, pode ser melhor evitar completamente o navio e navegar à sua volta num grande arco.

O que pode o AIS fazer?

OAIS, ou Sistema de Identificação Automática, pode ser uma ferramenta valiosa quando se navega no Mar Báltico, particularmente se se planear navegar depois de escurecer. Permite-lhe seguir a posição e o rumo de grandes navios na sua proximidade, fornecendo informações valiosas para uma navegação segura. Para garantir que pode utilizar este sistema no seu barco, verifique com a companhia de fretamento e peça-lhes que demonstrem como ligá-lo.

Ver um vídeo

Para ter uma melhor ideia do que esperar enquanto navega no Báltico, consulte os vídeos do YouTube que mostram as características únicas da região, tais como a atracagem em estacas de madeira. Estas especialidades não são normalmente encontradas pelos marinheiros mediterrânicos e podem fornecer uma visão valiosa sobre as práticas e costumes específicos do Báltico.

Vocabulário relacionado com a vela

Vale a pena notar que existem muitos termos e expressões regionais utilizados no Báltico que podem não ser familiares aos marinheiros mediterrânicos. Por exemplo, "hafenmeister" significa "harbourmaster". Embora se possa aprender muitos destes termos no local, sugerimos a leitura de alguns fóruns de iates e a familiarização com o vocabulário báltico antes de navegar.

DICA YACHTING.COM: Embora o AIS não seja obrigatório em pequenas embarcações, qualquer ajuda que possa ajudar a evitar uma colisão é bem-vinda a bordo. Descubra-o no nosso guia, O que é AIS e como funciona?

Navegação marítima clássica com carta

Não faz mal nenhum retocar o básico da navegação nas cartas náuticas clássicas antes de navegar no Báltico.

Que equipamento levar para o Báltico?

Ao navegar no Mar Báltico, é importante estar preparado para uma série de condições meteorológicas, incluindo dias quentes e chuva, bem como ventos repentinos. Mesmo que o porto esteja calmo, pode encontrar ventos fortes de até 30 nós quando se está no mar. Para evitar qualquer percalço, é essencial ter o equipamento certo a bordo. Alguns dos itens que não devem ser esquecidos incluem:

  • Casaco de vela e calças à prova de água (posso alugar se não quiser comprar o seu)
  • Roupa interior térmica
  • Meias quentes (recomendamos a lã merino)
  • 2 chapéus no caso de perder um (o que acontece frequentemente de forma inesperada)
  • Luvas de vela
  • Aquecedor de pescoço
  • Botas
  • Casaco de boa qualidade de vida
  • Arnês
  • Farol
  • Garrafa térmica
  • Saco de dormir
  • Creme de mão (o vento seca-o)
  • Protector solar
  • Óculos de sol

Os capitães são aconselhados a transportar uma linha de salvação, que pode ser instalada no convés do barco e utilizada pela tripulação com um arnês à medida que se deslocam.

DICA YACHTING.COM: Para mais dicas sobre como se equipar e que equipamento usar para velejar, mesmo em destinos mais frios, consulte o nosso guia - Como escolher vestuário para velejar: o que usar.

Casaco à vela

É preciso roupa de vela especial para Balt.

Destinos bálticos imperdíveis

Que lugares não devem em caso algum ser perdidos?

Copenhaga (Dinamarca)

Se nunca visitou esta jóia dinamarquesa, é um ponto obrigatório na sua viagem. Ancorar no coração da cidade é um prazer, e um passeio pelo porto no início da noite ou uma fotografia com a Pequena Sereia de Hans Christian Andersen é uma actividade imperdível.

Ilha Bornholm (Dinamarca)

Se estiver a navegar no Báltico, esta ilha deve estar no topo da sua lista. É um destino popular para os iates e oferece belas praias de areia, incluindo a praia de Dueodde, considerada o local mais solarengo da Dinamarca. A ilha é também excelente para ciclismo, caiaque, windsurf, mergulho, e até mesmo escalada em rocha. Ancore o seu barco em Hammerhavn, Ronne, ou Svaneke e explore tudo o que a ilha tem para oferecer.

Ronne sobre Bornholm

A pequena cidade de Ronne, na ilha de Bornholm, é pitoresca.

Os ilhéus de Christiansø e Frederiksø (Dinamarca)

Ligadas por uma ponte basculante, estas pequenas ilhas são na sua maioria habitadas por pescadores e artistas locais. Com a sua localização remota, oferecem um encanto único e uma oportunidade de experimentar uma escapadela pacífica.

Marstal (Dinamarca)

Se procura um local relaxante para estacionar o seu barco, a marina Marstal é uma excelente opção. A cidade possui um belo museu marítimo, e há também uma praia próxima onde pode dar um mergulho no mar. É o local perfeito para descontrair e recarregar.

Marina Kåseberga (Suécia)

A maioria dos marinheiros concorda que a marina de Kåseberga é um local particularmente bonito. Os visitantes devem pagar taxas de acostagem na loja local, e ter cuidado com os rails de lançamento de barcos rasos ao entrar. Não longe da marina está Ales Stenar, uma velha pedra que se assemelha à mais famosa Stonehenge. Aqui pode aproveitar a energia mística.

Malmö (Suécia)

Malmö, a terceira maior cidade da Suécia depois de Estocolmo e Gotemburgo, foi altamente industrializada até ao final do milénio. Hoje em dia, embora ainda tenha muitos edifícios históricos, é uma cidade de contrastes, com arranha-céus modernos a surgir ao lado da arquitectura tradicional. Caminhar no centro da cidade, com as suas pequenas casas junto ao canal, pode fazer-nos sentir como se tivéssemos entrado noutro mundo.

Malmö (Suécia) é espantoso.

Malmö é espantoso.

Stralsund (Alemanha)

Esta é uma antiga cidade hanseática com um museu marítimo, numerosos edifícios históricos e restaurantes. Vale bem a pena visitar esta cidade.

Marina Kołobrzeg (Polónia)

Esta moderna marina oferece uma gama completa de infra-estruturas para iates, incluindo instalações de atracação e mantimentos, tornando-a uma escala conveniente para os marinheiros.

Świnoujście (também Svinoústí ou Ústí nad Svinou)

Świnoujście não é apenas um local estratégico para o transporte marítimo, mas também uma cidade termal. Para além de albergar o farol mais alto da Polónia, a atmosfera encantadora da cidade irá certamente conquistá-lo.

DICA YACHTING.COM: Escrevemos um itinerário específico para si no nosso artigo - Navegar no Báltico indomado: inspire-se na nossa rota.

Barcos disponíveis no Báltico

É aconselhável optar por um veleiro mais pequeno quando se aluga no Báltico, uma vez que permite um acesso mais fácil às marinas e navegar por baixo de pontes. O calado mais raso é também benéfico devido aos cardumes frequentes na região. Enquanto o mercado de aluguer oferece uma variedade de opções de veleiros, a Baviera, Hanse, Dufour, e Sun Odyssey tendem a dominar a indústria do charter no Mar Báltico.

Recomendamos o Cruiser Bavaria 32, Linnea ou o Cruiser maior da Baviera 40, Ester. Também muito populares são o Dufour 375 Grand Large, Smilla ou a Odisseia do Sol 439, Bowmore.

Que alimentos provar no Mar Báltico?

Para se apreciar verdadeiramente a beleza da região báltica, é essencial deliciar-se com a sua deliciosa cozinha. Os mariscos locais são um prato obrigatório, gabando-se da sua frescura e aroma distinto. O peixe fumado é uma especialidade que não deve faltar, com uma variedade de peixe, desde pequenas sardinhas a grandes, sendo preparado no fumeiro. Outra iguaria local a provar é o peixe em conserva, que pode ser apreciado numa baguete fresca ou emparelhado com sopa de tripas de calamares. Para completar a refeição, lave-a com uma refrescante cerveja Tuborg.

Actividades adicionais para velejar no Báltico

Além da vela, o Báltico oferece uma variedade de actividades aquáticas e terrestres. Por exemplo, Rügen ostenta numerosos pontos de kitesurf, enquanto a costa da Polónia é famosa pelas suas ciclovias de alta qualidade. Os turistas podem explorar os muitos faróis que pontilham a costa, enquanto os entusiastas da pesca podem tentar a sua sorte nas águas do Báltico. Embora a pesca possa não ser tão abundante como na Noruega, ainda é possível fazer algumas boas capturas. Certifique-se de verificar as licenças necessárias antes de lançar a sua linha. Com muitas coisas para ver e fazer, não há hipótese de ficar aborrecido.

Kitesurfer no Mar Báltico

É necessário um fato de mergulho para desportos aquáticos, mas os adeptos de kitesurf, windsurf ou caiaque vão divertir-se aqui.

Deseja um barco no Báltico? Digam-me.

FAQs: Tudo sobre o Mar Báltico