Por todo o mundo num veleiro com o marinheiro Jirka Denk

Jiří Denk é um iatista com a alma de um pioneiro. Falámos com ele sobre navegar entre os blocos de gelo, como é navegar através do oceano sozinho e os seus planos futuros.

O que ajudou, será que melhorou?

Bem, com os dentes cerrados naveguei durante 14 dias, a costa desapareceu no quarto dia, por isso foi apenas uma semana. Só tinha de ser suportada. Não valia a pena falar com ela. Num outro caso, foi igualmente mau. Mas é frequente ver pessoas a entrarem em problemas internos, embora na sua maioria não tão graves.


Dolphins on the voyage around the world with Altego lGolfinhos na viagem à volta do mundo com Altego l

Levar alguém consigo, com quem não esteve antes no oceano durante duas semanas, é um riscoA está

familiarizado com a tripulação que navega consigo com antecedência?

Venho do Suriname com um rapaz que traz o seu filho de 9 anos e nunca nos conhecemos. Já falámos ao telefone várias vezes, mas não o vi por causa da minha carga de trabalho. Mas não me importo com isso. Deixo-o um pouco à mercê do destino. Presumo que não seja coincidência e talvez até aprenda alguma coisa. É por isso que raramente conheço as pessoas com antecedência, mas por vezes acontece.

As restantes tripulações são amigos, família, pessoas que conheço um pouco, algumas delas trazem amigos que não conheço. É um pouco uma lotaria, mas vale a pena. Mesmo que os conhecesse, não saberia como essa pessoa iria reagir.

Prefiro ir sozinho do que ter um idiota na tripulação, isso é certo. Embora tenha passado a minha vida a trabalhar com pessoas, não compreendo necessariamente estas pessoas. Tomo como padrão, que, de vez em quando, alguém assim aparece inevitavelmente na tripulação. Mesmo que o conheça e tenha "saído para beber uma cerveja ou duas" durante 5 anos, só quando o colocar numa situação desconfortável é que descobrirá exactamente quem ele é.

Portanto, como piada, digo às pessoas que se queres casar, levar alguém com quem não estás há duas semanas no oceano é um risco, uma aposta. Não estou a pensar em navegar nas Caraíbas de pub para pub, não me refiro a gastro-velejar. Também não se trata apenas de uma verdadeira cabine marítima. Pode ser acampar numa tenda à chuva. Ou nas montanhas. Quando uma pessoa se perde, fica congelada e a escuridão ameaça ... Esse tipo de situação.


E o que é que mais o irrita nessas pessoas?

Não sei como nomear esta característica ... Vejo-a, por exemplo, nas corridas que organizei. É a primeira vez que alguém está num barco. No primeiro dia não sabem nada, no segundo dia encontram os pés, no terceiro dia é bom, e no quarto dia já estão a dar conselhos. Ouve, deves ir lá, deves soltar esta linha, e não deves amaldiçoar? Qual é esta característica? Pessoas sem senso comum? Ocasionalmente, este tipo de pessoa sabe-tudo, que não fez nada na sua vida, aparece.

Massacre e ventos de 200 km por hora Qual

é a sua experiência mais aventurosa no mar?

Fico sempre contente quando tudo corre conforme o planeado. Isso é a coisa mais estranha. O facto é que algumas coisas partem-se e partem-se sempre. Não pode ser evitado.

Quando navegámos para a Geórgia do Sul, após quatro dias do cruzeiro, uma tempestade chegou às Malvinas com ventos de 200 km por hora. Felizmente, estávamos escondidos. Foi um massacre e o vento mais feroz que alguma vez vi.

Depois, quando fomos à Geórgia do Sul durante oito dias, o aquecimento avariou na noite anterior à conclusão da viagem. Atingiu-me mesmo! Está ao mesmo nível que o Cabo Horn e está gelado. É preciso passar por tantas coisas diferentes, é preciso viver e sobreviver tanto e depois o aquecedor avaria-se.


Como é que sobreviveste?

Felizmente, o gerador que nem sempre funciona, funcionou mesmo desta vez. E eu tinha um aquecedor de convecção, pelo que nos aconchegámos numa cabana durante uma hora, de manhã e à noite. Durante a noite estávamos em sacos-cama e durante o dia não fazia tanto frio, cerca de 12 graus.


Jiří Denk on the mainland on his way to AntarcticaJiří Denk no continente, a caminho da Antárctida

E como lidou com a tempestade nas Malvinas?

Estávamos atracados num local abrigado atrás de um cargueiro. Das oito cordas a que estávamos amarrados, duas quebraram e duas delas foram desgastadas. Em poucas horas. Só olhei para fora para ver se as linhas estavam a aguentar ou não. A ideia de agarrar outra linha e amarrá-la era totalmente impensável. Perdi o medidor de vento a 60 nós, ele foi destruído e queimado. Alegadamente, eles registaram o vento a mais de 100 nós, o que é 200 km/h.


Tinham um plano de reserva, o que iam fazer se as outras cordas não durassem?

Se mais duas cordas se tivessem partido e estivéssemos realmente pendurados por apenas duas, claro que teria tido de ir amarrar uma corda de alguma forma. Teria certamente feito isso, isso é certo.

Uma vez, penso que em 2010, na Patagónia, quando voltei da Antárctida com o primeiro barco, houve também uma tempestade de cerca de 130 km/h, e isso obrigou-nos a ancorar. E nesse vento, tive de ir amarrar a corda algures. Mas quando é preciso, é preciso.


Cruise from Ushuaia to the Falklands and South GeorgiaCruzeiro de Ushuaia para as Malvinas e a Geórgia do Sul

E a experiência mais bela?

É preciso perceber que num longo curso, até 98% das situações são bonitas, agradáveis, frescas - românticas. O que as pessoas mais perguntam e sobre o que escrevem é, na sua maioria, apenas os restantes 2%. Além disso, essas boas experiências não são bem articuladas. Por exemplo, alguém dirá: bem, foi belo, e no dia seguinte foi belo, e no terceiro dia foi absolutamente belo. Não é muito interessante :)

Mas quais foram as experiências verdadeiramente inesquecíveis? Quando estávamos com Hanička na Antárctida, ela tinha menos de três anos e andava entre focas e pinguins. Lembro-me muito bem disso. Que ela teve de experimentar algo que é absolutamente incomparável a qualquer coisa.

Na Geórgia do Sul, era ainda mais poderosa. Na Antárctida, vimos cerca de 5.000 pinguins numa colónia, mas estávamos na praia georgiana, que tinha cerca de 5 km de comprimento, havia 400.000 pinguins. Eu, a minha mulher e filha, 400.000 pinguins, e nem uma única pessoa num raio de 100 km.

Estas são experiências ...


Jiří Denk with his daughter Hanička among penguins and sea lionsJiří Denk com a sua filha Hanička entre pinguins e leões marinhos

E quando nós e Hanička estávamos na Polinésia Francesa, numa ba&ia

cute;a.

Havia tubarões de olhos pretos, que são amigáveis, embora tenham um metro e meio de comprimento. Estávamos de mãos dadas com Hanička, a caminhar na baía e cerca de 10 tubarões a nadar à nossa volta. Gosto de me lembrar disso porque percebemos que eles eram amáveis.


Jiří Denk's voyages around the worldNos

anos de 2000 a 2006, Jiří Denk empreendeu 30 viagens. A viagem mais inovadora para ele veio em 2005

, quando atravessou o Atlântico pela primeira vez e chegou à conclusão de que podia realmente navegar através dos oceanos.


Com isso em mente, em 2006, comprou o seu primeiro veleiro, o veleiro de alumínio Altego I de 12 metros na Nova Zelândia, no qual iniciou uma viagem à volta do mundo em Abril de 2007. Ao longo de nove etapas, navegou gradualmente para as Fiji, Papua Nova Guiné, Bali, Malásia, Tailândia, Maldivas, Madagáscar e África do Sul. Também visitou o Brasil, Uruguai, Argentina, Patagónia, Antárctida, Chile, Polinésia Francesa e as Ilhas Cook, e cobriu um total de 32.490 NM. Em 2010, o Altego I tornou-se o 7º barco checo

a circum-navegar o globo e tornou-se o 12º Checo na história a fazê-lo. Além disso, foi o primeiro barco checo da história a navegar na Antárctida Continental.


Em 2014 , tinha circum-navegado a Nova Zelândia, navegando para Fiji, Vanuatu, as Ilhas Salomão, bem como Papua Nova Guiné, Austrália, Micronésia, Filipinas, Sandakan no Bornéu, e ao longo do rio Kinabatangan, o Sultanato de Brunei, Bornéu, via Singapura, Malásia e Tailândia. A última viagem no Altego I foi da Tailândia através das Ilhas Andaman e das Ilhas Similan de regresso à Tailândia. Totalizou mais 13.870 NM

.


Em 2014, após o nascimento da sua filha, decidiu melhorar o seu barco para o Altego II maior e partiu novamente à volta do mundo, que logo se transformou numa viagem para circum-navegar as duas Américas. Partindo da Nova Zelândia, esperavam-no mais três viagens à Antárctida, o Reino de Tonga, Fiji, Vanuatu, Nova Caledónia e Polinésia Francesa, Gambier, Chile e Ushuaia (Patagónia). Esta última nona etapa levou-o através das Malvinas, na Geórgia do Sul, ao Brasil. O que o espera Jiří Denka no dia 10?


Em 2019, partiu de Upernavik, Gronelândia, para tentar a temida Passagem Noroeste (Gronelândia-Canada-Alasca) no Oceano Árctico em redor do Pólo Norte. Após trinta e seis dias de navegação e 3.080 Nm, ele conseguiu às 18h30 do dia 4 de Setembro de 2019. O navio de Jirka tornou-se assim o primeiro navio checo a completar esta viagem.